vegetariANO

Já faz alguns anos que venho cuidando muito melhor da minha alimentação, reduzindo dramaticamente o consumo de produtos industrializados e focando em alimentos integrais, naturais e frescos. Recentemente, todavia, venho repensando também a minha relação com a carne. Eu como muita carne. Ainda é muito menos do que um brasileiro médio come, não tenho a menor dúvida disso, mas, mesmo assim, me ocorreu que talvez seja interessante dar uma guinada rasta extrema em 2018 e tentar brincar um ano de comer só planta pra ver o que me acontece.

Sempre fui muito cético em relação a isso, em algumas fases da vida até mesmo já me postei radicalmente contra o vegetarianismo (sobretudo como ideologia).

Mas sei lá.

Ouvi um argumento muito bom outro dia que me fez pensar.

Embora o consumo de carne e de outros alimentos cozidos tenha sido um dos principais responsáveis pelo nosso salto evolutivo, supostamente, seres humanos não são carnívoros – nem sequer onívoros. A evidência estaria no nosso sistema digestivo. Intestinos de animais que consomem carne tendem a ser muito mais curtos do que os que se alimentam de plantas – e o nosso sistema digestivo está muito mais próximo do de um gorila do que de um tigre.

Como sofro há anos com refluxo ácido e alguns outros distúrbios estomacais e intestinais de menor relevância (pra não falar nos níveis elevados de colesterol herdados supostamente dos ancestrais do leste europeu), me pareceu uma aposta interessante me alimentar como um orangotango em 2018 e registrar a experiência de alguma maneira.

Ainda não estou 100% convicto disso e, sendo bem sincero, considero enorme a possibilidade de não fazer nada e seguir comendo carne o ano que vem.

Mas vai que.

Enfim.

Pensando.