giftbox 15 anos growroom – 1/3

Pra dar uma força à causa, no começo do ano resolvi adquirir o Gift Box comemorativo de 15 anos de Growroom, o lendário fórum de ativismo pró-cultivo caseiro de canábis no Brasil. São três pacotes enviados mensalmente, de abril a junho, contendo uma camiseta alusiva ao Growroom e uma série de brindes surpresa de diversos parceiros (incluindo headshops e marcas de seda). No primeiro kit, que chegou no finalzito de abril em meu lar, havia:

a) uma camiseta estampada;

b) uma seda mini e uma king size da marca Papelito, do DF;

c) uma piteira de vidro;

d) adesivos do headshop PoPipe.

Levando em conta que o combo custou R$ 250 e, esta parcela, portanto, saiu por mais de 80 conto, tomara que as próximas duas remessas contenham uns brindes melhores. Quer dizer, nada contra esses aí, na real. Aliás, algumas coisas contra alguns, sim. Outras a favor de outras. A camiseta, por exemplo: é muito afudê, malha boa, estampa excelente. A piteira é sensacional. Demorei um tempo pra entender como funcionava, pensei que era tipo uma MARICA, mas na real tu enrola junto com o beck, como se fosse um filtrinho. Achei que fica muito bom, tanto em termos de sabor quanto efeito. Aprovado demais. Todavia é um troço que custa 10 cru-cru.

Já o Papelito decepcionou por aqui. Eu cresci nos anos 90 no eixo Glória-Medianeira-Teresópolis, de modo que não sou nenhum frescão da seda. Fumei muito em Colomy, Xiru, palha de milho, página de Bíblia e guardanapo – e fumaria de novo se preciso. Todavia a vida vai melhorando, ou o cara vai ficando mais velho, e aí que nos últimos 15 anos, mais ou menos, venho fumando só na Smoking Preta mesmo. Em algum momento acho que foi de arroz, agora parece que não é mais. Sei que é um papel extrafino, de combustão lenta e, embora claramente deixe um sabor residual no fumo, é bastante discreto.

Aí que o Papelito me deixou um gostão fudido de papel queimado na boca. Meio que foi só nos primeiros pegas, beleza, depois quando eu acendi a ponta já não estranhei mais tanto, mas uma coisa é certa: o branquinho convencional é mais pegado que a Smoking preta. Ainda veio uma outra seda marrom king size pra testar e, de repente, reverter a má impressão, mas como eu quase nunca fumo de bombão vai ser difícil fazer esse teste anytime soon. Como é unbleached tende a ser melhor, todavia: a ver.

UPDATE: 18h após publicar este post, resolvi dar uma chance ao Papelito brown king size e – BEM BÃO. Nada de espetacular, embora seja muito superior à sua versão convencional branca. Já melhorou a imagem da marca perante o Didão.

Quanto aos adesivos: massa. Já meti uma latinha da PoPipe no meu notibúrcio e outra na latinha da chavidez. Só que adesivo nem devia entrar nessa conta aí, né? É oitenta pila uma camiseta, uma piteira e duas sedinha, mais despesas de correio. Pensando bem, até que não é tão mau negócio assim. A vida tá cara. Let’s help the brothers out. Tão aí há quinze anos militando pelo direito ao cultivo de maconha para uso pessoal no país. Não custa dar um salvezito, ainda que minguado.

DIDS DIDS DIDS